Consultoria: O que não fazer em cloud computing

Compartilhar

Consultoria: O que NÃO fazer em cloud computing

A computação em nuvem é uma ferramenta extremamente vantajosa para os negócios. Ela deixou de ser uma novidade e uma opção para se tornar um recurso estratégico no mundo corporativo.

Empresas de todos os tamanhos e segmentos vêm adotando o cloud computing na busca por mais agilidade, economia, retorno de investimento, mobilidade e segurança. No entanto, ao optar por essa tecnologia, muitos gestores agem de maneira precipitada e sem planejamento, acarretando resultados indesejáveis para a companhia.

Vale ressaltar que a tecnologia quase nunca é o problema, mas é a forma de implementar a ferramenta que pode gerar contratempos, caso não seja feita de forma correta. Para te ajudar nesse ponto, elaboramos uma relação de coisas para não se fazer em cloud computing.

Confira:

Negligenciar a segurança nos procedimentos de migração

Os programas em cloud computing vão rodar perfeitamente, bem como as aplicações e dados durante a migração no sistema. Porém, a nuvem, por si só, não faz milagre! Pense nas informações dos seus clientes que estão desprotegidas porque a segurança não foi contemplada no processo de transferência de dados…

É bom recordar de uma consultoria e que a segurança das informações recolhidas pela empresa é de sua inteira responsabilidade, como rege a nova Lei Geral de Proteção de Dados.

Deixar o planejamento e consultoria de lado

Implementar sistemas em cloud computing em uma empresa não é tão rápido e fácil como se pensa. É preciso planejamento, detalhamento das ações e dos processos para que a migração rode sem intercorrências.

Mas, por incrível que pareça, boa parte dos problemas que surgem nessa etapa ocorrem por falta de organização das equipes envolvidas. Implantar a ferramenta de forma rápida e abrupta é sinônimo de problema – e, consequentemente, de transferência de dados mal sucedida.

Para garantir resultados satisfatórios, a migração deve ser realizada de forma gradual, após pesquisa e elaboração de um projeto. E, que tal contratar uma consultoria para isso?

Não ter um plano de contingência

Ter uma empresa terceirizada de computação que faça todo o trabalho de monitoramento e manutenção dos arquivos em cloud computing não exime a empresa de suas responsabilidades com os clientes. A consultoria vai fazer o trabalho de migração, mas a gestão corporativa deve manter um plano de contingência caso o serviço tenha algum problema técnico.

Por isso, elabore um plano com os possíveis eventos de curto, médio e longo prazo. Caso ocorra qualquer imprevisto, o trabalho não pode parar.

Deixar de considerar consultoria e os tipos de computação em nuvem

Atualmente, existem três tipos de computação em nuvem que devem ser consideradas ao migrar os dados para esse modelo de trabalho:

  • Nuvem Privada, para ser usada somente dentro da empresa;
  • Nuvem Pública, que pode ser acessada de um ambiente externo, já que o provedor oferece serviço para várias empresas diferentes;
  • Nuvem Híbrida, que associa a computação em nuvem pública e a privada, permitindo que os dados e aplicativos sejam compartilhados entre elas.

Optar por qualquer uma delas sem fazer uma pesquisa prévia ou levar em conta o planejamento da implantação é um erro que pode colocar em risco todo o projeto. Afinal, é preciso conhecer a fundo o perfil da organização para saber em qual dos modelos ela se encaixa.

No fim das contas, escolher uma solução que parece óbvia pode levar a empresa a contratar algo que não precisa, resultando em dinheiro perdido.

Blog originalmente publicado em 4Infra

eMaster – Cloud & Security

Sobre a eMaster

Transformamos a forma como as empresas consomem tecnologia, agregando segurança, inteligência e agilidade com ferramentas que modernizam o software e permitem a reinvenção do modelo de negócio.

Post Recentes

Acompanhe

Weekly Tutorial

Assine nosso Newsletter

Sem spam, notificações apenas sobre novos produtos, atualizações.